Aracaju, SE 11/12/19
 

Nossa História
nova orla
points do turista
igrejas e museus
agenda
cultura
noticias
turismo
personalidade
artesanato
videos
galeria de fotos
culinária
passeios em sergipe
Sergipe
mapas
contato
 
Espaços Terapêuticos, Academias desportivas - Aracaju Sergipe
Auto-peças, Acessórios, Auto-escolas, Pneus, Oficinas e Serviços - Aracaju Sergipe
Bares, Lanchonetes, Boates - Aracaju Sergipe
Institutos de Beleza, Centro de Estética, Lojas de Cosméticos, Noivas - Aracaju Sergipe
Móveis, Decoração, Armários, Cozinhas, Quartos - Aracaju Sergipe
Docerias, Deli, Buffet Eventos e Festas, Padarias - Aracaju Sergipe
Delícias Regionais, Churrascaria, Cozinha Naturalista, Cozinha Oriental/Francesa/Italiana/Alemã - Aracaju Sergipe
Pizzarias, Lanchonetes - Aracaju Sergipe
Lanchonetes, Acarajés, Salgados
Pousadas, Motéis - Aracaju Sergipe
Hotéis, Resort's - Aracaju Sergipe
Farmácia & Drogria, Farmácias de Manipulação - Aracaju Sergipe
Lançamentos, Promoções - Aracaju Sergipe
Suprimentos, Recarga de cartuchos, Computadores, Assitência Técnica - Aracaju Sergipe
Empreendimentos - Aracaju Sergipe
Colégios, Cursos Profissionalizantes, Universidade, Faculdade, Escolas de Idiomas - Aracaju Sergipe
Clínicas Médicas, Hospitais, Oftalmologista, Ortopedista, Ondotologia, Dermatologia, Cirurgia Plástica - Aracaju Sergipe
Moda Jovem, Moda Praia, Moda Íntima, Calçados & Bolsas, Acessórios & Bijuterias, Presentes - Aracaju Sergipe
Lojas, Madereiras, Tintas - Aracaju Sergipe
Supermercados, Distribuidoras - Aracaju Sergipe
Agências, Receptivo, Operadoras - Aracaju Sergipe
TV, Rádio, Jornais, Revistas - Aracaju Sergipe
Lavandeiras, Escritórios de Contabilidade, Gráfica e Copiadora, Detetização, Seguradoras e Seguros, Taxi, Chaveiros, Telefones Úteis - Aracaju Sergipe
 

 
Cultura
Visite Aracaju. Aqui você é mais Feliz!

A História do forró

Introdução

O forró, assim como o samba, possuem as mesmas raízes, ou seja, ambos se originaram da mistura de influências africanas e européias. "Na música nordestina, um toque indígena, uma pitada européia, um tempero africano; é só degustar..." já citava um dos especialistas no assunto.

O batuque - dança de roda com que os africanos mostravam a sua cultura - foi o tronco principal no que diz respeito à formação da música popular no Brasil. Dele surgiram diversas variações que se espalharam tanto em áreas urbanas quanto rurais sob vários nomes e estilos próprios conforme a região do país.

Origem da Palavra

A origem do forró é controversa. É certo que o ritmo nasceu no Nordeste e foi apresentado ao Sul do país por Luiz Gonzaga nos anos 40. Mas quando, onde e como ele apareceu lá no sertão ainda é, de certo modo, um mistério que vem dividindo muitos estudiosos e músicos. Há a versão mais popular de sua origem, até transformada em canção por Geraldo Azevedo em 82, (e relançada agora em sua coletânea Frutos e Raízes), For All Para Todos: a de que o nome viria dos dizeres "For All" (em inglês "para todos"). A frase vinha escrita nas portas dos bailes promovidos pelos ingleses em Pernambuco, no início do século, quando eles vieram para cá construir ferrovias. Se a placa estivesse lá era sinal de que todos podiam entrar na festa, regada a ritmos dançantes que prenunciavam o forró de hoje, essa era a versão defendida por Luiz gonzaga. Nestes bailes tocavam todos os tipos de música e também o ritmo precursor do forró atual. A segunda versão é dada pelo historiador e pesquisador da cultura popular Luís da Câmara Cascudo, que diz que a origem é o termo africano "forrobodó", que significaria festa, bagunça. Em alguns povoados pequenos do país (como na Ilha Grande- RJ ou na Ilha do Mel- PR) forró significa bailão popular ou arrasta pé, onde se dança de tudo.

"Escrevi a música For All Para Todos, que foi título de um disco meu, quando ouvi uma entrevista de Luiz Gonzaga e Sivuca na TV, na qual eles contavam essa história da origem do forró", conta Geraldo Azevedo, nascido num distrito de Petrolina, no sertão pernambucano, e com muitos forrós compostos em seus 25 anos de carreira fonográfica. Porém, logo uma corrente contrária se manifestou: "Na época, houve protesto de muitas pessoas", diz Geraldo. "O pesquisador Câmara Cascudo me escreveu uma carta dizendo que a história de Gonzagão não tinha fundamento, pois a palavra forró vinha de forrobodó, expressão que em dialeto africano significa fresta, bagunça".

Gonzagão, o pioneiro

Controvérsias à parte, quase todo mundo concorda que sem Luiz Gonzaga, o forró não estaria hoje aí nos bailes de todo o Brasil como a última moda musical. O Velho Lua nasceu em Exu, sertão pernambucano, em dezembro de 1912. Filho do sanfoneiro Januário, que animava os bailes da cidade nos finais de semana, desde pequeno ele tomou familiaridade com o instrumento. E, em todos os lugares aonde ia, Gonzaga procurava experimentar o acordeon ou a zabumba e estava sempre junto aos músicos. Depois de uma briga com a mão, aos 18 anos, ele resolveu ganhar o mundo. Foi para o Ceará, onde entrou para o Exército e virou cabo corneteiro. Dali andou mais um pouco, chegou em São Paulo e, finalmente, fixou-se no Rio de Janeiro, disposto a tentar carreira de músico no rádio. Antes de se inscrever no programa de Ary Barroso, em 1941, com a canção Vira e Mexe, com a qual tiraria o primeiro prêmio e seria contratado pela Rádio Nacional, ele tocou em prostíbulos e bares de pouca categoria. :p>

A música nordestina de Luiz Gonzaga sofreu preconceito no início. O diretor artístico da rádio nacional não o deixava sequer usar o chapéu de couro e a roupa de cangaceiro que fariam parte de seu visual durante toda a carreira no futuro. Porém, mais ou menos como vem acontecendo hoje em São Paulo e em outros centros, o forró foi conquistando o grande público, deixando de ser só uma música para saudoso migrantes nordestinos ou pessoas de4 classe social inferior. E o modo poético como Gonzagão cantava sua vivência dura de sertanejo, as tristezas e — por que não? — as doçuras da vida nordestina tão esquecida pelo resto do Brasil, foi entrando devagarzinho no coração de todo o país que, na época, encantava-se mais com os musicais vindos de Hollywood. Quase sessenta anos depois, com a nova onda do forró, nada mais justo que ver a música do Velho Lua, morto há nove anos, ser presença obrigatória nas casas noturnas de todo o país. E admirada por tantos adolescentes.

Algumas Ramificações do Forró

a) como dança e música: baião, xote, xaxado, coco, vanerão, quadrilhas juninas ...
b) como música: forró malícia (principal representante é Genival Lacerda), lambaforró, oxentemusic

A primeira Música

Consta como sendo "Baião"- (1946) de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, porém podem haver gravações anteriores.

Como Surgiram os Rítmos que Compõem o Forró

O baião: sua origem remonta ao século XIX, no nordeste do país, mas faltam informações precisas para esse início. Segundo alguns, a palavra vem de " baiano". O baião veio do lundu e era dançado em roda; um dos presentes intimava os outros a dançar por meio de umbigadas e toques de castanholas. A popularização do ritmo se deu mesmo a partir da década de 40, com Luiz Gonzaga, pernambucano que veio para o Rio de Janeiro e gravou inúmeras músicas, que falavam do cotidiano nordestino. Esse tipo de baião cantado sofreu influências de outros ritmos, como o samba e a conga. Nos anos 70, Gil e Caetano com o tropicalismo e o interesse em resgatar os ritmos genuinamente brasileiros, deram nova força ao baião.
O baião apresenta diferenças regionais e de época. Existe o baião de Pernambuco, que é o tradicional, tocado com sanfona, triângulo e zabumba, cujos maiores representantes são Luiz Gonzaga e Dominguinhos. Já o baião de Fortaleza (grupo Mastruz com Leite) incorporou instrumentos mais modernos, como guitarra e bateria.
O xote: ritmo de origem européia que surgiu dos salões aristocráticos da época da Regência - final do séc XIX. Conhecido originalmente com o nome schottisch, dominou no período do Segundo Reinado incorporando-se depois às funções populares urbanas, passando a ficar conhecido como chótis e finalmente xote. Saiu dos salões urbanos para incorporar-se às regiões rurais, onde muitas vezes aparece com outras denominações.
O xaxado: o nome provém do som que os sapatos faziam no chão ao se dançar; é uma dança do agreste e sertão pernambucano, bailada somente por homens, que remonta da década de 20. O acompanhamento era puramente vocal, melodia simples, ritmo ligeiro, e letra agressiva e satírica. Tornou-se popular pelos cangaceiros do grupo de Lampião.
O coco: dança de roda do norte e nordeste do Brasil, fusão da musicalidade negra e cabocla. Acredita-se que tenha nascido nas praias, daí a sua designação. O ritmo sofreu várias alterações com o aparecimento do baião nas caatingas e agreste. Como compositor que popularizou o ritmo podemos citar Jackson do Pandeiro.
O vanerão: é o forró dançado no sul do país. Caracteriza-se por ser uma dança em que os pares giram pelo salão com imensa mobilidade e rapidez.
As quadrilhas juninas: são de natureza rural, da tradição européia, do culto ao fogo, anteriores ao cristianismo. A Igreja Cristã adaptou a festa de São João para absorver os cultos agrários pagãos. No Brasil a festa é acompanhada de muita música e dança: a quadrilha (dança das Cortes européias), o baião, o xote entre outros.

Atualmente o forró está sofrendo alterações em relação ao seu perfil original com o surgimento de novos grupos musicais e o sucesso que está fazendo entre os jovens. "A maioria destes grupos se formou após a febre da lambada, e a música que eles fazem é chamada de lambaforró ou oxentemusic. A dança também se modificou, assimilando passos da lambada (principalmente os giros)" afirma Dominguinhos. Diz, ainda, "que da mesma forma que o pagode ressuscitou sambistas antigos, como Martinho da Vila e Paulinho da Viola, os novos grupos de forró estão ajudando a divulgar o ritmo e suscitar interesse nos velhos mestres, como ele e Gonzagão". Podemos concluir, portanto, que o forró é um caldeirão de culturas de várias épocas e regiões que vai se modificando e se adaptando a cada geração.

A mistura do forró

Ao lado de Luiz Gonzaga não podem faltar compositores consagrados no forró como Dominguinhos, um dos herdeiros de sua sanfona animada. Ele já gravou até um tributo ao mestre, Dominguinhos e Convidados Cantam Luiz Gonzaga, dois CDs duplos da gravadora Velas. Não dá para esquecer Jackson do Pandeiro "que desenvolveu o côco, outro ritmo nordestino, de forma festiva e o incorporou ao forró", segundo Geraldo Azevedo. Por seu lado, Alceu Valença acaba de lançar o disco Forró de Todos os Tempos (Sony) onde dá uma pincelada histórica no ritmo com músicas inéditas e regravações de Jackson e Gonzagão. :p>

A esta altura muitos devem estar se perguntando "mas, se Luiz Gonzaga era o rei do Baião, o que isso tem a ver com forró?". Geraldo Azevedo dá a explicação: "A base rítmica do forró é principalmente o baião, aliado ao xote, ao xaxado e também ao côco. Estes juntos fazem uma festa daquelas", conclui o compositor pernambucano. Ele acrescenta que há várias maneiras de se tocar forró e se diz satisfeito de ver o ritmo nordestino tomar conta dos jovens de classe média e alta: "No tempo da ditadura houve um sufocamento da nossa cultura, pois quase tudo era considerado subversivo. Hoje os jovens estão redescobrindo o Brasil, e com ele o forró. Sinto-me honrado e feliz até porque tenho 25 anos de estrada na música e meu público, em sua maioria, tem hoje entre 16 e 20 anos. Sinto-me renovado. Parece que estou descobrindo minha carreira de novo".

Fonte: Revista Forró Mania — Sigla Editora



:: VEJA TAMBÉM
Teatro Atheneu recebe ‘Auto de Natal’ e Canarinhos de Aracaju
II Prêmio Um Banquinho, Uma Canção conclui fases eliminatórias
Prorrogada as inscrições para o Festival Um Banquinho, Uma Canção
Biblioteca Infantil comemora 42 anos de existência
Biblioteca Pública Epifânio Dória realiza exposição pelo Dia Nacional do Livro
Orquestra Sinfônica comemora Dia das Crianças com novo concerto “Disney & Games”
Editora do Estado lança 'Aracaju dos anos 90'
Plano Estadual de Cultura segue em elaboração no mês de setembro
Passeio ‘Laranjeiras Cultura Viva’ encerrará o Agosto Mês das Culturas da Gente
Biblioteca Infantil traz programação especial para o mês do folclore
Convergência negra realiza reunião dias 16 e 17
Concurso de Quadrilhas do Gonzagão tem mais duas classificadas às semifinais
Sexta Cultural do TCE aborda as manifestações juninas
Forró Caju 2016 Programação São João Aracaju
Ministério lança campanha contra intolerância religiosa
Maratona de Dança agita o público no Festival de Artes
Chef Marco Sousa prepara seu segundo livro
Leandro Karnal fala sobre sucesso, destino e morte
Musical infantil terá sessões gratuitas em Aracaju
Corredor Cultural Irmão promove exposição
IX Concurso de Fantasia Infantil da Biafa acontece sexta
Marchinhas animam o Baile Infantil Samba Lelê
Feira de Verão 2016 acontece de 15 a 31 de janeiro
Natal da Gente Sergipana 2015 apresenta o ‘Museu Vivo’
Orquestra Sinfônica homenageia músicos no Teatro Atheneu
Lula Ribeiro convida Flávio Venturini no Tobias Barreto
Museu Histórico de Sergipe terá programação especial do ‘Agosto para Todos’
Orsse traz os encantos da música barroca italiana ao Teatro Atheneu
Colônia de Férias para Idosos no Sesc Sergipe
Imagem de Nossa Senhora visita órgãos públicos
São João da Gente Sergipana continua com oficinas, cortejo e quadrilha junina
“Folcloriando na Terra do Caju” é apresentado no Lourival Baptista
Confira a programação do Forró Caju que vai acontecer de 19 a 29 de junho
13ª Semana de Museus terá jornada de estudos e cinema
Reinauguração da Galeria J Inácio é adiada para o dia 14 de maio
Abertas as inscrições para o curso de Teatro Funcional
Os Melhores do Mundo de volta a Aracaju
“Faz de conta” encanta crianças no Lourival Baptista
Moda RioMar Cosmopolitan acontece dias 7 e 8 desse mês
Bandas dão show e Teatro Atheneu lota em seu aniversário de 61 anos
Série Cajueiros marca início da Temporada 2015 da Orsse
Xaxado presta homenagem a Aracaju pelos 160 anos
Audições para Coro Sinfônico da Orsse têm número recorde de inscrições
Centro Cultural segue com amostra sobre carnaval
Núcleo de Produção traz Mostra de Cinema
Devotos realizam cortejo em homenagem à Iemanjá
1º Seminário de Vida no Espírito em Aracaju
Museu dará início às atividades da "Folia da Gente"
Cinemark realiza Sessão Desconto de segunda a sexta
Governo investirá R$ 945 mil em oficinas culturais por todo o Estado
Orquestra Jovem de Sergipe realizará concerto natalino no dia 21
Orla Pôr do Sol também terá festa de Réveillon
Cortejo cultural abre programação do Natal da Gente Sergipana
Secult prorroga inscrições para o Edital de Audiovisual
Nobel de Literatura premia o francês Patrick Modiano
Unesco promove concurso Selfie com seu Professor 2014
Longa-metragem 'A Pelada' tem pré-estreia em Aracaju
''É proibido cochilar'' será exposta na Jenner Augusto
Grupo Imbuaça apresenta “Exercício para Hamlet”
O Sesc apresenta 'Figuras no Fundo da Caverna'
Inscrições abertas para seleção de projetos culturais
Manoel Ramos celebrará carreira dedicada ao samba
Comédia 'Arte' acontece dia 9 de agosto em Aracaju
Adorar-te acontece dia 19 no Parque dos Faróis
Adorar-te acontece dia 19 no Parque dos Faróis
Secult divulga resultado do Edital de Modernização das Bibliotecas Públicas
Turistas estrangeiros e brasileiros se encantam com as tradições juninas
Forró Caju começa nesta quarta-feira
Museu da Gente lança exposição em homenagem à Clemilda
Governo do Estado já investiu R$ 37 milhões na preservação do patrimônio
MinC seleciona peças de artesanato sergipano para exposição durante a Copa
Secult encerra com sucesso 8ª edição da Semana Sergipana de Dança
CONVITE À IMPRENSA: lançamento de curtas-metragens no Atheneu
Governo encerra 4º Festival Sergipano de Teatro e comemora recorde de público
Grande público comparece ao TTB durante espetáculo do grupo Imbuaça
BPED promoverá evento de fortalecimento ao sistema Estadual de Bibliotecas
Aracajuanos celebram aniversário da capital no Concerto da Cidade
Secult adia lançamento de curtas aprovados em edital para 24 de abril
Crianças exibem simpatia e criatividade no VII Concurso de Fantasias da Biafa
Jovens exercitam cidadania através da arte no bairro Getúlio Vargas
Orsse contempla colaboradores da empresa Almaviva com concerto
Adiado lançamento do livro sobre o desenvolvimento de SE
Secult realiza ‘IV Círculo de Ogãs’ em homenagem ao Dia da Consciência Negra
Grupo Teatral Clowns de Shakespeare se apresenta em Aju
Álbum Memórias de Aracaju II será lançado na Semear
Sergipe Mais Justo: oficina sobre forró atraiu jovens de São Cristóvão
Deso receberá prêmio nacional do Instituto Chico Mendes
II Conferência Estadual de Cultura acontecerá nos dias 26 e 27 de setembro
Apresentação encerra projeto que beneficiou mais de 250 músicos em SE
Secult dá início à construção coletiva do Encontro Nordestino de Cultura
Peças de Poulenc e Mozart serão destaques em concerto da Orsse
Sergipe é destaque em festival cultural do Brasil na Áustria
Sergipe é destino turístico nos festejos juninos
Paróquia celebra festa de Festa de N. Sr.ª Auxiliadora
XI Semana Nacional de Museus entre os dias 13 e 19 de maio
Relação das obras do ProInveste em Sergipe
Programação do III Festival Sergipano de Teatro
Laranjeiras lança “Roteiro de Cavernas” para turistas
Prefeito João Alves celebra o Carna Caju
XXXVIII Encontro Cultural de Laranjeiras - 2013
Promotor de Justiça José Gilson dos Santos lança livro “Algumas Visões de Aracaju
Projeto Sexta Cultural do Tribunal de Contas do Estado
Imbuaça remonta “A Farsa dos Opostos”
MHS promove atividades dentro da 6ª Primavera dos Museus
“O Olhar da Descoberta" no Museu Afro-Brasileiro de Sergipe
Contemplados pelo Edital de Intercâmbio levam música sergipana ao eixo Rio-São Paulo
Edital de Intercâmbio e Difusão Cultural volta a cena
Aeroporto registra o maior crescimento do Nordeste
Programação Forró Caju 2012
Prefeitura renova o carnaval da capital
Programação cultural em Janeiro 2012
MPB e PopRock no Projeto Freguesia 2012
Secult lança programação de novembro do Projeto Orlando Vieira
Um pouco da história da música erudita em Sergipe
Secult lança Projeto de Intercâmbio e Difusão Cultural
O Forró – Essa Dança Envolvente
Amorosa lança livro no Rio de Janeiro
Stand-up comedy e RPM na Virada Cultural
Abertura da Temporada 2011 no Teatro Tobias Barreto
Aracaju já tem Rei e Rainha do Carnaval
Inscrições para o concurso de Rei Momo e Rainha do Carnaval
Secult divulga resultado da Arena Multicultural
Secult e Sebrae discutem e renovam parceria
Filme movimenta o cenário cultural sergipano
Confira a agenda cultural do mês de setembro
Confira a agenda cultural do mês de agosto
Edital para Pontos de Cultura é lançado
Ministro da Cultura fica impressionado com estrutura do PMOC
Centro de Criatividade comemora 25 anos
Música sergipana
Cotinguiba Esporte Clube 100 anos
I Feira Cultural e Expositiva do Programa Escola Aberta
Homenagem nos 40 anos do Batistão
Aracaju vai ganhar primeira Casa da Cultura
Bonecos de todo o Brasil estarão em Aracaju
Memória de Jenner Augusto precisa de reparos
Guiness Book
Projeto Freguesia
Pré-caju 2008
Mário Jorge Vieira
Cultura Sergipana
Artesanato
A História do forró
Imbuaça comemora 30 anos de conquista
Artesanato de Sergipe
Recital Mozart Camila Argolo
Elias Santos expõe 'Absorvidos'
São Cristóvão é candidata a patrimônio da humanidade
Neópolis sediará Encontro Cultural
Velho Chico: uma agradável surpresa
Cangaço um modo de vida