Aracaju, SE 20/09/19
 

Nossa História
nova orla
points do turista
igrejas e museus
agenda
cultura
noticias
turismo
personalidade
artesanato
videos
galeria de fotos
culinária
passeios em sergipe
Sergipe
mapas
contato
 
Espaços Terapêuticos, Academias desportivas - Aracaju Sergipe
Auto-peças, Acessórios, Auto-escolas, Pneus, Oficinas e Serviços - Aracaju Sergipe
Bares, Lanchonetes, Boates - Aracaju Sergipe
Institutos de Beleza, Centro de Estética, Lojas de Cosméticos, Noivas - Aracaju Sergipe
Móveis, Decoração, Armários, Cozinhas, Quartos - Aracaju Sergipe
Docerias, Deli, Buffet Eventos e Festas, Padarias - Aracaju Sergipe
Delícias Regionais, Churrascaria, Cozinha Naturalista, Cozinha Oriental/Francesa/Italiana/Alemã - Aracaju Sergipe
Pizzarias, Lanchonetes - Aracaju Sergipe
Lanchonetes, Acarajés, Salgados
Pousadas, Motéis - Aracaju Sergipe
Hotéis, Resort's - Aracaju Sergipe
Farmácia & Drogria, Farmácias de Manipulação - Aracaju Sergipe
Lançamentos, Promoções - Aracaju Sergipe
Suprimentos, Recarga de cartuchos, Computadores, Assitência Técnica - Aracaju Sergipe
Empreendimentos - Aracaju Sergipe
Colégios, Cursos Profissionalizantes, Universidade, Faculdade, Escolas de Idiomas - Aracaju Sergipe
Clínicas Médicas, Hospitais, Oftalmologista, Ortopedista, Ondotologia, Dermatologia, Cirurgia Plástica - Aracaju Sergipe
Moda Jovem, Moda Praia, Moda Íntima, Calçados & Bolsas, Acessórios & Bijuterias, Presentes - Aracaju Sergipe
Lojas, Madereiras, Tintas - Aracaju Sergipe
Supermercados, Distribuidoras - Aracaju Sergipe
Agências, Receptivo, Operadoras - Aracaju Sergipe
TV, Rádio, Jornais, Revistas - Aracaju Sergipe
Lavandeiras, Escritórios de Contabilidade, Gráfica e Copiadora, Detetização, Seguradoras e Seguros, Taxi, Chaveiros, Telefones Úteis - Aracaju Sergipe
 

 
Personalidades
Visite Aracaju. Aqui você é mais Feliz!
Jota Soares, um sergipano no cinema


Aracaju, 22 de julho de 2010

A história do cinema guarda, no tempo, o fascínio da imagem em movimento, do som, da representação artística, cenários e figurinos, atraindo público para as salas dos espetáculos, a começar com os “cinematógrafos”, aparelhos que permitiam a instalação dos “Kinemas”, pelas cidades do mundo. São mais de 100 anos de glamour, talento, genialidade, evoluindo técnica e arte, cada vez mais atraentes. Sergipe esteve presente no começo da chamada 7ª arte, com as diversas salas criadas para demonstrações cinematográficas, como através do laranjeirense Cândido Aragonez de Faria, que viveu e morreu em Paris e que foi contratado pela Casa Pathé para desenhar os cartazes dos filmes, mais de 300, produzidos pelos irmãos Pathé, que estão entre os pioneiros do cinema, na França. Faria, que foi caricaturista e professor de desenho no Rio de Janeiro, em Porto Alegre, em Buenos Aires, antes de chegar a Paris.

As primeiras imagens em movimento feitas em Sergipe em 1923, são do filme Brasil Pitoresco, de Cornélio Pires e Flamínio de Campos Gatti, que focalizou aspectos sergipanos. As imagens de Aracaju, de julho de 1923, durante o raid Rio-Aracaju, estão no filme Deêm Asas ao Brasil, de 1924, da Botelho Filmes, dirigidas por Alberto Botelho.

Muitos anos mais tarde, a atriz Vera Amado, filha do embaixador brasileiro na França, o sergipano de Itaporanga da Ajuda Gilberto Amado, nascida em Paris mas registrada em Estância, casada com o diretor francês Henry Georges Clouzot, atuou em diversos filmes franceses, como Salário do medo, que se tornou um dos clássicos do cinema. E já na década de 1960, o pianista e compositor sergipano Ubirajara Cabral Quaranta assinou trilhas sonoras de diversos filmes franceses, já no tempo da novele vague.

Wilson Silva, nascido em Maroim, foi diretor de filmes como Nordeste sangrento, rodado em Sergipe, explorando a temática do cangaço, e Eles não voltaram, sobre a II Guerra Mundial, e de outros títulos que contribuíram para a história do cinema nacional. José Carlos Monteiro, professor, jornalista e crítico de cinema é autor de uma história do cinema brasileiro, editado pela FUNARTE para fixar o registro evolutivo das películas nacionais. A lista de sergipanos é acrescida do nome de Waldemar Lima, om fotógrafo de Glauber Rocha, na filmagem de Deus e o Diabo na terra do sol.

José da Silva Soares, conhecido artisticamente como Jota Soares, nasceu em 1906, em  Propriá, filho de José da Silva Soares, proprietário de um cinema naquela cidade ribeirinha. Enquanto viveu em Propriá, Jota Soares aprendeu a tocar cavaquinho e piano, mantendo o cinema como seu trabalho.

Fechado o cinema do pai, Jota Soares foi viver no Recife, em 1924, com 18 anos, tocando cavaquinho nos blocos carnavalescos do Recife e tocando piano nos cabarés da cidade, até meter-se na turma que iniciava o chamado Ciclo do Recife, produzindo filmes de longa metragem, mudos, com temáticas locais, como Retribuição, Aitaré da Praia, A filha do advogado, Sangue de irmão, e outros da Aurora Filmes, fundada em 1925 para dar organização ao trabalho dos jovens cineastas, como Gentil Roiz, Augusto Severo e Jota Soares, que mantiveram o mais longo dos ciclos cinematográficos do Brasil, produzindo filmes de ficção.

Jota Soares era ator, produtor e diretor de alguns dos filmes do Ciclo do Recife, produzidos entre 1923 e 1931, destacando-se como um dos pioneiros do cinema brasileiro. Os filmes Aitaré da praia e A filha do advogado, que têm sua participação como ator, produtor e diretor, foram exibidos em Aracaju, no Cine-teatro Rio Branco, perante grande público. Com o fim do Ciclo do Recife, Jota Soares acompanhou o pai para a Bahia, na década de 1930, voltando à capital pernambucana somente em 1950, assumindo empregos que mais uma vez destacaram a sua biografia, como o de Chefe do Departamento Comercial do Jornal Pequeno, comentarista da Rádio Clube Capibaribe, e colaborador do Diário de Pernambuco, onde deixou registro do Ciclo de cinema do Recife, em artigos que publicou, em 1964, por 59 semanas seguidas.

Jota Soares foi, ainda, comentarista esportivo, e documentarista, organizando precioso acervo sobre o cinema, no mundo, no Brasil e no Recife, material adquirido pela Fundação Joaquim Nabuco, onde pode ser consultado, na Cinemateca da instituição. Chama atenção a coleção da Revista Cena Muda e outros periódicos sobre cinema, revelando o interesse do colecionador.

Jota Soares que saiu da beira do rio São Francisco para entrar na história do cinema, morreu no Recife, em 1988, aos 82 anos, cercado do respeito, da admiração e do carinho dos pernambucanos. 

Matéria escrita pelo Dr. Luiz Antônio Barreto, historiador e profundo conhecedor da cultura sergipana.
Fonte: www.infonet.com.br/serigysite


:: VEJA TAMBÉM
Augusto do Prado Franco
Hermes Fontes
João Ribeiro - Um sábio que completa 15I anos
Jackson Barreto
Centenário de Costa Pinto.
Associação Sergipana de Imprensa comemora 80 anos
Luiz Antônio Barreto
Dominguinhos e sua tragetória de sucesso
Jouberto Uchôa de Mendonça, reitor da Universidade Tiradentes, é o mais novo imortal da Academia Sergipana de Letras.
O ex-governador Lourival Baptista deixa saudades
Prefeito pretigia posse da nova Mesa Diretora da AL
Bloco Carnavalesco Siri na Lata
Empresária Maria Celi Barreto
Conselho Estadual de Cultura celebra 45 anos
Sergipana com necessidade especial é exemplo ao prestar Enem
Homenagem ao centenário de José Rollemberg Leite
100 anos de Drº Augusto do Prado Franco
História Cangaceira
Artur Oscar de Oliveira Déda lança livro de crônicas
Bonifácio Fortes
Dom Távora - O bispo dos operários
Jornalista Cleomar Brandi é homenageado
Quem foi o Dr. Augusto César Leite?
Homenagem ao Professor Sebastião
Mendonça se reúne com representante da ONU
Dilma Rousseff é recepcionada no aeroporto de Aracaju
Governador Marcelo Déda é homenageado.
Lançamento do livro Retratos do Brasil profundo
Sergipana lança livro em Itabaiana
Homenagem a Luiz Carlos Reis
Antonio Maia - Arte e alma de Sergipe
Paulo Barreto de Menezes
Jota Soares, um sergipano no cinema
Entrevista com Rogério
Acrísio Cruz
Joel Silveira
50 anos da Empresa Senhor do Bomfim
Carlos Augusto Monteiro: o novo presidente da OAB.
Maria Thetis Nunes fez história na cultura sergipana
Entrevista com João Carlos Paes Mendonça
Carlos Ayres Britto
Medalhas do Mérito Aperipê e Cultural
Sergival
Srs. Newton e Miguel Gonçalves
José Augusto (São Lucas) Barreto
Ofenísia Soares Freire
Fausto Cardoso
J. Inácio
Zé Peixe
Ismar Barreto