Aracaju, SE 20/11/19
 

Nossa História
nova orla
points do turista
igrejas e museus
agenda
cultura
noticias
turismo
personalidade
artesanato
videos
galeria de fotos
culinária
passeios em sergipe
Sergipe
mapas
contato
 
Espaços Terapêuticos, Academias desportivas - Aracaju Sergipe
Auto-peças, Acessórios, Auto-escolas, Pneus, Oficinas e Serviços - Aracaju Sergipe
Bares, Lanchonetes, Boates - Aracaju Sergipe
Institutos de Beleza, Centro de Estética, Lojas de Cosméticos, Noivas - Aracaju Sergipe
Móveis, Decoração, Armários, Cozinhas, Quartos - Aracaju Sergipe
Docerias, Deli, Buffet Eventos e Festas, Padarias - Aracaju Sergipe
Delícias Regionais, Churrascaria, Cozinha Naturalista, Cozinha Oriental/Francesa/Italiana/Alemã - Aracaju Sergipe
Pizzarias, Lanchonetes - Aracaju Sergipe
Lanchonetes, Acarajés, Salgados
Pousadas, Motéis - Aracaju Sergipe
Hotéis, Resort's - Aracaju Sergipe
Farmácia & Drogria, Farmácias de Manipulação - Aracaju Sergipe
Lançamentos, Promoções - Aracaju Sergipe
Suprimentos, Recarga de cartuchos, Computadores, Assitência Técnica - Aracaju Sergipe
Empreendimentos - Aracaju Sergipe
Colégios, Cursos Profissionalizantes, Universidade, Faculdade, Escolas de Idiomas - Aracaju Sergipe
Clínicas Médicas, Hospitais, Oftalmologista, Ortopedista, Ondotologia, Dermatologia, Cirurgia Plástica - Aracaju Sergipe
Moda Jovem, Moda Praia, Moda Íntima, Calçados & Bolsas, Acessórios & Bijuterias, Presentes - Aracaju Sergipe
Lojas, Madereiras, Tintas - Aracaju Sergipe
Supermercados, Distribuidoras - Aracaju Sergipe
Agências, Receptivo, Operadoras - Aracaju Sergipe
TV, Rádio, Jornais, Revistas - Aracaju Sergipe
Lavandeiras, Escritórios de Contabilidade, Gráfica e Copiadora, Detetização, Seguradoras e Seguros, Taxi, Chaveiros, Telefones Úteis - Aracaju Sergipe
 

 
Personalidades
Visite Aracaju. Aqui você é mais Feliz!
Antonio Maia - Arte e alma de Sergipe

Por Luiz Antônio Barreto


Antonio Maia

Nascido em Carmópolis, em 9 de outubro de 1928, quando aquele lugar ainda era Carmo, ex-vila e povoado de Rosário, servindo pelo “Maria fumaça” do “Chemins de Fer”, Antonio Maia Cruz, levou de Sergipe, nos olhos e na alma, todos os sentimentos e crenças, valores e costumes, que alicerçaram a sua arte, a um tempo simples e grandiosa, com a qual enfeitou e deu ao Brasil uma linguagem estética popular. Passou pela Bahia, terra de tantos mistérios, e terminou no Rio de Janeiro, onde nos anos de 1950 chegou para viver, com suas irmãs, uma existência de quase 80 anos, repartida entre a sobrevivência e as múltiplas manifestações do seu talento de artista. Parecia difícil conciliar a carreira militar, na Aeronáutica, com os pincéis, espátulas, telas e tintas, interessando-se por técnicas e temáticas próximas do povo, fosse o seu povo, como os ex-votos, fossem os orientais com os Tarôs, baralho de 76 cartas, seriadas em quantidades distintas de lâminas, de uso adivinhatório, e o Origami, com suas dobraduras de papel, além de outras sutilezas da alma humana.

Outro sergipano – Artur Bispo do Rosário – nascido em Japaratuba, nas vizinhanças de Carmópolis, levou para o Rio de Janeiro a tradição dos estandartes, que tanto abrem desfiles e apresentações de grupos folclóricos e de procissões, como fixa cores, partidos, nos ciclos de festas, notadamente o natalino, agregado a Santos Reis e São Benedito, ornado pela cerimônia de coroação de Reis negros, costume que desde o século XVII tem registro no Recife, em Pernambuco, e no século XIX populariza-se em Sergipe, em volta das igrejas matrizes, de invocações de Nossa Senhora da Vitória e Nossa Senhora do Rosário, ou nas capelas dos engenhos de açúcar e das fazendas de gado.



A lúdica sergipana ambientou entre Japaratuba e Carmópolis o povoado Entrudo, e guardou, nos primeiros dias de janeiro, na velha Missão de Japaratuba, a guerra das cabacinhas (que já foi conhecida como Limões de Cheiro) junto da qual desfilavam blocos de Maracatu, Cacumbís, Reisados, Cheganças, e outros fatos folclóricos que sobrevivem, de certa forma desfocados, como representações simbólicas do povo sergipano, ainda que formem uma base, na qual está contida a tradição, sem prejuízo da cultura popular que viceja nos contatos sociais, como uma expressão de liberdade num casulo subalterno que a economia impõe.

Antonio Maia carregava com ele esse substrato estético dos desvalidos, como tinha na retina a paisagem da sua terra, hoje pontilhada de “Cavalos de Ferro” e cortada de canos que levam óleo e gás para os depósitos da Petrobras. Foi em Carmópolis, em 1963, que foi descoberto petróleo fora da Bahia, abrindo uma perspectiva de exploração, ao tempo em que revelava grandes jazidas de evaporitos, das quais atualmente a Companhia Vale do Rio Doce minera o Potássio, na Mina de Taquari-Vassouras, no município de Rosário do Catete. O contraste entre a riqueza do solo e a pobreza da população é mediado, muitas vezes, pelo calendário de festas, devoções, usos e costumes, fatos folclóricos autenticados pela genuinidade, dinamicidade, expressividade e colegialidade, que são as características que identificam a tradição da cultura brasileira, dominantemente ágrafe e multiétnica.

Antonio Maia tinha, engaiolados no seu apartamento do Rio de Janeiro, santos dos mais populares. Tinha, escorrendo pelas paredes, tocando o chão, quadros com ex-votos, como a retirar dos caminhos nordestinos as promessas, abrigadas na Santa Cruz de beira de estrada. As oferendas votivas, que dá a cada promessa sua graça, cada santo seu poder, cada pessoa seu merecimento, marcaram, por décadas seguidas, a pintura de Antonio Maia, vista nas exposições. Cabeças, olhos fixos, pedaços de corpo, com suas cores e dimensões dão forma ao universo onde a promessa está na base do compromisso e é algo sagrado para os que selam o pacto silencioso com a divindade e com os santos.


Obra: Mensageiro (pormenor) feito em 1989

Assim como Artur Bispo do Rosário costurou e bordou o manto que vestiria para seu encontro com Deus, Antonio Maia muniu-se de ex-votos para configurar sua arte, até morrer, recentemente (12 de julho de 2008), sem doenças ou reclamações. Dormiu, não acordou. Faria, daqui a mais alguns dias, 80 anos e era, sem favor, um dos mais autênticos artistas do povo brasileiro. Em tudo que buscasse inspiração encontrava a raiz da tradição, os matizes da cultura, recriando as formas com a espontaneidade da gente simples, que nas valetas da vida teimam em resistir. Sua arte tem a força das bandeirolas simétricas, estiradas nos cordões que enfeitam os terreiros de sua terra, nas noites juninas. E, mais que Volpi, Maia fez de sua arte um varal, a expor suas singularidades cromáticas sociais, traçando o norte de suas pesquisas, de parentesco concretista.

Um irmão de Antonio Maia – José Maia Cruz – doublé de notário e de artista, viveu em Maroim desenhando os rótulos das bebidas da fábrica Hanequim, e cuidando das pinturas da Matriz, mantendo-as restauradas como um adorno sobre as cabeças dos fiéis.

Sergipe pai e mãe, que perderam o filho há tanto tempo desgarrado, vive na arte desse migrante da permanente diáspora que agita o coração da terra, universalizando-se e universalizando-a.

Fonte: Serigy


:: VEJA TAMBÉM
Augusto do Prado Franco
Hermes Fontes
João Ribeiro - Um sábio que completa 15I anos
Jackson Barreto
Centenário de Costa Pinto.
Associação Sergipana de Imprensa comemora 80 anos
Luiz Antônio Barreto
Dominguinhos e sua tragetória de sucesso
Jouberto Uchôa de Mendonça, reitor da Universidade Tiradentes, é o mais novo imortal da Academia Sergipana de Letras.
O ex-governador Lourival Baptista deixa saudades
Prefeito pretigia posse da nova Mesa Diretora da AL
Bloco Carnavalesco Siri na Lata
Empresária Maria Celi Barreto
Conselho Estadual de Cultura celebra 45 anos
Sergipana com necessidade especial é exemplo ao prestar Enem
Homenagem ao centenário de José Rollemberg Leite
100 anos de Drº Augusto do Prado Franco
História Cangaceira
Artur Oscar de Oliveira Déda lança livro de crônicas
Bonifácio Fortes
Dom Távora - O bispo dos operários
Jornalista Cleomar Brandi é homenageado
Quem foi o Dr. Augusto César Leite?
Homenagem ao Professor Sebastião
Mendonça se reúne com representante da ONU
Dilma Rousseff é recepcionada no aeroporto de Aracaju
Governador Marcelo Déda é homenageado.
Lançamento do livro Retratos do Brasil profundo
Sergipana lança livro em Itabaiana
Homenagem a Luiz Carlos Reis
Antonio Maia - Arte e alma de Sergipe
Paulo Barreto de Menezes
Jota Soares, um sergipano no cinema
Entrevista com Rogério
Acrísio Cruz
Joel Silveira
50 anos da Empresa Senhor do Bomfim
Carlos Augusto Monteiro: o novo presidente da OAB.
Maria Thetis Nunes fez história na cultura sergipana
Entrevista com João Carlos Paes Mendonça
Carlos Ayres Britto
Medalhas do Mérito Aperipê e Cultural
Sergival
Srs. Newton e Miguel Gonçalves
José Augusto (São Lucas) Barreto
Ofenísia Soares Freire
Fausto Cardoso
J. Inácio
Zé Peixe
Ismar Barreto