Aracaju, SE 16/09/19
 

Nossa História
nova orla
points do turista
igrejas e museus
agenda
cultura
noticias
turismo
personalidade
artesanato
videos
galeria de fotos
culinária
passeios em sergipe
Sergipe
mapas
contato
 
Espaços Terapêuticos, Academias desportivas - Aracaju Sergipe
Auto-peças, Acessórios, Auto-escolas, Pneus, Oficinas e Serviços - Aracaju Sergipe
Bares, Lanchonetes, Boates - Aracaju Sergipe
Institutos de Beleza, Centro de Estética, Lojas de Cosméticos, Noivas - Aracaju Sergipe
Móveis, Decoração, Armários, Cozinhas, Quartos - Aracaju Sergipe
Docerias, Deli, Buffet Eventos e Festas, Padarias - Aracaju Sergipe
Delícias Regionais, Churrascaria, Cozinha Naturalista, Cozinha Oriental/Francesa/Italiana/Alemã - Aracaju Sergipe
Pizzarias, Lanchonetes - Aracaju Sergipe
Lanchonetes, Acarajés, Salgados
Pousadas, Motéis - Aracaju Sergipe
Hotéis, Resort's - Aracaju Sergipe
Farmácia & Drogria, Farmácias de Manipulação - Aracaju Sergipe
Lançamentos, Promoções - Aracaju Sergipe
Suprimentos, Recarga de cartuchos, Computadores, Assitência Técnica - Aracaju Sergipe
Empreendimentos - Aracaju Sergipe
Colégios, Cursos Profissionalizantes, Universidade, Faculdade, Escolas de Idiomas - Aracaju Sergipe
Clínicas Médicas, Hospitais, Oftalmologista, Ortopedista, Ondotologia, Dermatologia, Cirurgia Plástica - Aracaju Sergipe
Moda Jovem, Moda Praia, Moda Íntima, Calçados & Bolsas, Acessórios & Bijuterias, Presentes - Aracaju Sergipe
Lojas, Madereiras, Tintas - Aracaju Sergipe
Supermercados, Distribuidoras - Aracaju Sergipe
Agências, Receptivo, Operadoras - Aracaju Sergipe
TV, Rádio, Jornais, Revistas - Aracaju Sergipe
Lavandeiras, Escritórios de Contabilidade, Gráfica e Copiadora, Detetização, Seguradoras e Seguros, Taxi, Chaveiros, Telefones Úteis - Aracaju Sergipe
 

 
Personalidades
Visite Aracaju. Aqui você é mais Feliz!
Ofenísia Soares Freire
.

Há um sentimento incontido de admiração, de homens e mulheres, diante da professora Ofenísia Freire. Não precisa ter sido seu aluno, no Atheneu, no Colégio Tobias Barreto, nem seu colega do Conselho Estadual de Educação, da Secretaria Municipal de Cultura, ou da Academia Sergipana de Letras, nem mesmo ser ouvinte de suas conferências e discursos. Basta conhecer um pouco da sua biografia, desde que nasceu, na Estância, seu tempo de estudante, no Colégio de Santana, da professora Quintina Diniz, em Aracaju, sua militância política, para reconhecer o compromisso que tem pautado a sua vida e que é talvez seu maior exemplo às novas gerações de sergipanos.

Ensinar é um exercício constante de cidadania, onde o professor, curador do conhecimento universal, na sala de aula faz a síntese da cultura, ao receber e orientar seus alunos, no processo ensino-aprendizagem. É aí, nesse contato inicial e repetido em anos seguidos, que o professor e a escola tanto pode alienar, quanto desalienar o aluno, fazendo do conhecimento a argamassa da construção do saber crítico, capaz de entender a realidade e de guiar as pessoas pela vida.

Ofenísia Soares Freire tem uma biografia repleta de êxitos, como professora, como militante política, como intelectual.

A Professora - Desde que chegou em Aracaju, nos anos 30 do século XX, que Ofenísia Soares Freire escolheu, vocacionada, sua profissão. O magistério atraía a jovem estanciana, através de disciplinas como Língua e Literatura Portuguesa, Teoria Literária, Língua e Literatura Brasileira. Foram décadas de ensino em colégios públicos e da rede particular, destacando-se o Ateneu, entre os primeiros, e o Tobias Barreto, entre os privados. Não havia, contudo, diferença alguma na qualidade do trabalho diário da professora. Mais do que os pontos de cada curso, Ofenísia Freire deixava com cada aluno a consciência diante da língua e da literatura.

Dominando a literatura luso-brasileira, Ofenísia Freire tinha o livro didático como mera referência de apoio, porque o verdadeiro conteúdo estava em sua palavra, nos textos que escolhia para trabalhar, nas reflexões que fazia, nos ensinamentos que, ao final, concluía as suas aulas.

Sempre lembrada da Estância, berço da civilização sergipana, onde circulou o primeiro jornal da Província – o Recopilador Sergipano - com homens e mulheres de rara sensibilidade musical, tendo o piano como objeto comum em suas casas, e cenário onde Jorge Amado, filho de sergipano, voltava sempre para asilar-se nas lutas que marcaram o Brasil da sua mocidade. Ofenísia Freire lembra dos tempos de mocinha, vendo Jorge Amado na Papelaria Modelo, de João Nascimento, lendo ou escrevendo, convivendo enfim com a paisagem e com o povo da Estância.

Seu irmão, o médico Pedro Soares, por muito tempo editou um jornal, mantendo a tradição dos velhos jornalistas – Gumercindo Bessa, J. Nogueira, e outros – de “A Razão”, folha polêmica, corajosa, desassombrada, registrando os fatos e expressando suas opiniões políticas e ideológicas. Ofenísia Freire teve outros irmãos – João, Dalva, Osvaldo, Nivaldo – a quem ela dedica, com afeto, o livro “A Presença feminina em Os Lusíadas”. Outras saudades, como a Lira Carlos Gomes, os sobrados da rua Capitão Salomão, as águas do rio Piauitinga, o cinema da fábrica, ficaram para sempre guardadas na retina da jovem professora.

Ofenísia Soares Freire, casada com Filemon Franco Freire, funcionário público, Diretor do Tesouro do Estado no Governo de Seixas Dória, irmão do professor Franco Freire, alternou as atividades do magistério com a agitação política. Filiada ao Partido Comunista Brasileiro, engajada no processo de redemocratização do País, emprestou, na eleição de 1947, seu nome à chapa de deputado estadual, da qual saiu eleito o médico Armando Domingues, e à chapa de deputado federal (à época o eleitor podia ser candidato a mais de um mandato). Com o PCB tendo o seu registro anulado e seus militantes indo para a clandestinidade, Ofenísia Soares Freire voltou-se integralmente para a cátedra, até aposentar-se como professora do Ateneu, então Colégio Estadual de Sergipe.

Com o movimento militar de 1964, quando integrava o Conselho Estadual de Educação, sofreu o constrangimento de ter seu mandato extinto e foi afastada do magistério do Atheneu, durante algum tempo. Enfrentou a adversidade com coragem e determinação, continuando a ensinar no Colégio Tobias Barreto, então dirigido pelo professor Alcebíades Melo Vilas Boas, encontrando nas salas de aula dezenas de jovens que foram presos e processados durante aquele período de prisões e de patrulhamentos e suspeições.

Aposentada, viúva, Ofenísia Soares Freire passou a se dedicar às atividades intelectuais, aceitando convites para fazer conferências, discursos, participando de debates e integrando instituições culturais, como a Academia Sergipana de Letras, para a qual foi eleita em 1980, na vaga do poeta Abelardo Romero, tomando posse naquele mesmo ano (25 de novembro). Também em 1980 publicou seu livro “A Presença feminina em Os Lusíadas”, reeditado em 2000. Foi do Conselho Estadual de Cultura, secretária Municipal de Cultura, na gestão do prefeito José Carlos Teixeira (1985), e vice-presidente da Academia Sergipana de Letras, posição que ainda conserva na Diretoria atual da ASL.

Há uma unanimidade crítica tanto sobre a biografia da professora, considerada “A Mestra de Todos Nós”, como sobre o seu livro “A Presença feminina em Os Lusíadas”, que apesar de ter sido publicado na maturidade, após a longa carreira no magistério sergipano, é uma demonstração da sua erudição e do seu talento interpretativo, ampliando, com qualidade, as coleções camonianas em língua portuguesa. No seu livro, o professora se mostra por inteiro, dominando a cátedra, demonstrando o lastro de conhecimentos com o qual enfrentou, anos seguidos, turmas inteiras de jovens.

Com seu livro Ofenísia Freire transpõe, de forma inequívoca, os limites do magistério, que estão sempre sujeito a currículos e parâmetros, passando a gozar do reconhecimento como escritora, ensaísta, interpretando um texto do século XVI e tirando dele novas lições, especialmente ligadas a mulher. Mais do que compor e enriquecer a bibliografia de autores sergipanos, o livro de Ofenísia Soares Freire contribui para alargar a crítica em torno da grande obra do vate português. Ao lado de Cleonice Benardineli, Tiers Martins Moreira, Antonio Geraldo da Cunha, o nome de Ofenísia Soares Freire circula na bibliografia camoniana brasileira.       

Por Luiz Antônio Barreto


:: VEJA TAMBÉM
Augusto do Prado Franco
Hermes Fontes
João Ribeiro - Um sábio que completa 15I anos
Jackson Barreto
Centenário de Costa Pinto.
Associação Sergipana de Imprensa comemora 80 anos
Luiz Antônio Barreto
Dominguinhos e sua tragetória de sucesso
Jouberto Uchôa de Mendonça, reitor da Universidade Tiradentes, é o mais novo imortal da Academia Sergipana de Letras.
O ex-governador Lourival Baptista deixa saudades
Prefeito pretigia posse da nova Mesa Diretora da AL
Bloco Carnavalesco Siri na Lata
Empresária Maria Celi Barreto
Conselho Estadual de Cultura celebra 45 anos
Sergipana com necessidade especial é exemplo ao prestar Enem
Homenagem ao centenário de José Rollemberg Leite
100 anos de Drº Augusto do Prado Franco
História Cangaceira
Artur Oscar de Oliveira Déda lança livro de crônicas
Bonifácio Fortes
Dom Távora - O bispo dos operários
Jornalista Cleomar Brandi é homenageado
Quem foi o Dr. Augusto César Leite?
Homenagem ao Professor Sebastião
Mendonça se reúne com representante da ONU
Dilma Rousseff é recepcionada no aeroporto de Aracaju
Governador Marcelo Déda é homenageado.
Lançamento do livro Retratos do Brasil profundo
Sergipana lança livro em Itabaiana
Homenagem a Luiz Carlos Reis
Antonio Maia - Arte e alma de Sergipe
Paulo Barreto de Menezes
Jota Soares, um sergipano no cinema
Entrevista com Rogério
Acrísio Cruz
Joel Silveira
50 anos da Empresa Senhor do Bomfim
Carlos Augusto Monteiro: o novo presidente da OAB.
Maria Thetis Nunes fez história na cultura sergipana
Entrevista com João Carlos Paes Mendonça
Carlos Ayres Britto
Medalhas do Mérito Aperipê e Cultural
Sergival
Srs. Newton e Miguel Gonçalves
José Augusto (São Lucas) Barreto
Ofenísia Soares Freire
Fausto Cardoso
J. Inácio
Zé Peixe
Ismar Barreto